INCOERÊNCIA AMBIENTAL.

+ de 45% do Brasil foi impiedosamente desmatado para os mais diversos fins.

Este comportamento reduziu a umidade no ar, as nuvens e as chuvas.

Como será possível continuar produzindo alimentos, energia, biocombustíveis, madeira, etc, sem o clima estar em equilíbrio?

seca

Da mesma forma que a garoa de São Paulo sumiu, irão sumir as chuvas.

A incoerência é: como será possível manter as atividades na sociedade, produzir alimentos, manter o agronegócio, a água potável, etc., sem chuvas?

As pessoas não estão coerentes com a realidade,
apesar de todas as evidências constatadas
nas últimas décadas.

mapa

Fora da Amazônia, o território brasileiro já perdeu mais de 80% da vegetação nativa. Isto é incoerente com o pensamento da sociedade que quer ganhar dinheiro com agronegócio e do Brasil que quer manter a exportação de “commodities” agrícolas.

 

Por que é incoerente?

Simples. Se não tiver pelo menos 40% de matas nativas em todas as áreas do território brasileiro, o clima já desestabilizado vai se agravar, aumentando os períodos de seca e reduzindo os períodos de chuvas.

Cadê a garoa de São Paulo? Sumiu

Cadê as chuvas regadoras? Estão sumindo

Cadê as invernadas? Sumiram

Cadê a água potável? Estão sumindo

Cadê as temperaturas amenas? Sumiram

Cadê o frio no inverno? Está sumindo

Cadê as geadas no centro-oeste e sudeste? Sumiram

Cadê a alimentação barata? Está sumindo

Cadê o dinheiro que supria as necessidades básicas? Está sumindo

Você já tinha reparado que está sobrando pouco de natureza e muito, muito pouco dinheiro?

O Brasil poderia ser um país rico, se não tivesse sido destruído para manter um progresso insustentável, pois sem a natureza nada se sustenta.

SEM CHUVAS…

…todos ficarão SEM DINHEIRO.

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>